sexta-feira, 18 de agosto de 2017

TEXTOS SOBRE AMIZADE - COM INTERPRETAÇÃO/GABARITO

PROCURA-SE UM AMIGO

        A coisa que Toco mais desejava na vida era um amigo. Apenas quem vive sozinho pode imaginar a falta que faz um amigo. Um amigo da verdade. Alguém que nos ame, nos compreenda, nos diga uma palavrinha bondosa de vez em quando. Alguém que na hora da fome divida com a gente um pedaço de pão e que na hora de dormir dê uma pontinha de seu cobertor...
        Assim era Toco, um sonhador.
        Quando ele via um menino andando pela rua, saía atrás dele na esperança de ter achado o seu AMIGO.
        Mas quando o menino entrava no ônibus ou mesmo numa casa sem ao menos um sorriso, Toco ficava muito triste e pensava:
        Hoje não deu. Amanhã, quem sabe?
        Amanhã, amanhã, quer dizer esperança.
        E esperança era o que Toco mais tinha.
        E quando o amanhã chegava, sendo hoje, Toco abria os olhinhos e cada um que visse aquele brilho pensaria:
        --- Eis aqui uma criatura feliz!
        --- E sabem de uma coisa?
        Apesar de não ter amigos, Toco era feliz. Feliz porque vivia livre. Podia correr, esquentar-se com o calor do sol, sentir o perfume das flores, dormir contando as estrelas...
        Uma tarde ele estava deitado preguiçosamente num banco da praça, quando Fabio passou. Naquela época, ele ainda não sabia que o amigo se chamava Fábio. Mas assim que o viu, teve certeza: Aquele menino seria meu amigo!
        Fabio fez um carinho na cabeça de Toco e seguiu assobiando. Toco saltou do banco e foi atrás do menino.
        Que menino alegre, pensou.
        Adoro meninos que assobiam.
        Fabio caminhou, três, quatro, cinco quadras e Toco sempre atrás. Às vezes, Fabio dava uma espiadinha para ver se estava seguindo e continuava caminhando e assobiando.
        Lá pelas tantas, o menino entrou por um caminho estreito, subiu uma escada e entrou.
        A casa era simples. De dentro vinha um cheirinho gostoso da comida feita na hora. O menino deu mais uma olhada e falou.
        --- Veja mamãe, quem eu trouxe para morar com a gente.
        --- Que cachorro engraçado, disse Dona Amélia.
        --- Veja o rabo dele!
        É só um Toco.
        --- Toco, pois é assim o que vou chamar meu novo amigo.

Interpretação escrita:

1)     De que fala o texto?
Amizade.

2)     Como era Toco? Descreva-o.
Era um cachorro engraçado de rabo curto.

3)     O que ele mais desejava? Por quê? Explique.
Ter um amigo. Porque sentia-se muito sozinho.

4)     Qual a palavra do texto que lembra esperança? Por que ele considera tal palavra como esperança?
Amanhã. Porque é um novo dia, cheio de esperança.

5)     Apesar de não ter amigos, Toco era feliz. Por quê? Explique.
Porque vivia livre, podia correr, esquentar com o calor do sol, até dormir contando as estrelas.

6)     Toco encontrou o que procurava? Quem era? E para onde o levou?
SIM. Era um menino, Fabio. Para a casa dele.

7)     Como Toco foi recebido em sua nova casa? Conte-nos.
Foi bem recebido pela Dona Amélia.

8)     Quais são as palavras do texto que se referem a amigo?
Ame; compreenda; sorriso; assobiando, etc.

9)     Como era a casa em que Toco foi recebido? Descreva-a e desenhe.
Resposta pessoal do aluno.

 A VERDADEIRA AMIZADE

   Um homem, seu cavalo e seu cão caminhavam por uma estrada.Depois de muito andar esse homem se deu conta  de que ele, seu cavalo e seu cão haviam morrido num acidente.Muitas vezes os mortos levam tempo para se dar conta de sua nova condição.A caminhada era muito longa, morro acima, o sol era forte e eles ficaram suados e com sede.Precisavam desesperadamente de água.Numa curva do caminho, avistaram um portão todo de mármore, que conduzia a uma praça calçada com blocos de ouro, no centro havia uma fonte de onde jorrava água cristalina. O caminhante dirigiu-se ao homem que numa guarita, guardava a entrada.
     -Bom dia, ele disse. -Bom dia, respondeu o homem.
     -Que lugar é este, tão lindo? Ele perguntou.
     -Isto aqui é o céu, foi a resposta. -Que bom que nós chegamos ao céu, estamos com muita sede, disse o homem.
   -O senhor pode entrar e beber água à vontade, disse o guarda, indicando-lhe a fonte.
    - Meu cavalo e meu cachorro também estão com sede.
   -Lamento muito, disse o guarda. - Aqui não se permite a entrada de animais.
   O homem ficou muito desapontado porque sua sede era grande.Mas ele não quis beber e deixar seus amigos com sede.Assim, prosseguiu seu caminho.Depois de muito caminho acima, com sede e cansaço multiplicados, ele chegou a um sítio, cuja entrada era uma velha porteira velha semi aberta.A porteira se abria por um caminho de terra, com árvores dos dois lados que faziam sombra.
       À sombra de uma das árvores, um homem estava deitado, cabeça coberta com um pano, parecia que estava dormindo.
    -Bom dia, disse o caminhante. -Bom dia disse o homem.
    -Estamos com muita sede, eu, meu cavalo e meu cachorro.
    - Há uma fonte naquelas pedras, disse o homem indicando o lugar.
   -Podem beber a vontade. O homem, o cavalo e o cachorro foram até a fonte e mataram a sede.
  -Muito obrigado, ele disse ao sair. - Voltem quando quiserem, respondeu o homem.
   -A propósito, disse o caminhante, qual é o nome desse lugar?
    -Céu, respondeu o homem.
   -Céu? Mas o homem da guarita ao lado do portão de mármore disse que lá era o céu! -Aquilo não é o céu, aquilo é o inferno. O caminhante ficou perplexo. - Mas então, disse ele, essa informação falsa deve causar grandes confusões.
   -De forma alguma, respondeu o homem.Na verdade, eles nos fazem um grande favor.
   - Porque lá ficam aqueles que são capazes de abandonar seus melhores amigos...

 Interpretação do texto:

1- Numere os parágrafos do texto depois complete:
    O texto possui 03 parágrafos.

2- Quantos personagens o texto possui? Quais são eles?
     Possui 05 personagens. O homem, o cavalo, o cachorro, o diabo e Deus.

3- Onde se passa a história e como os personagens foram parar lá?
     A caminho do céu. Por causa do acidente.

4- Qual foi o desapontamento que o homem teve ao passar pelo portão de mármore?
     Porque somente ele poderia beber a água, seus amigos não. (O cavalo e o cachorro).

5- Por que foi que o homem conseguiu chegar realmente no céu?                 Porque, pra ele a amizade é mais importante na vida.

6- Dê a sua opinião sobre o texto.
     Resposta pessoal do aluno.


BONS AMIGOS

Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir.
Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
Amigo a gente sente!

Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar.
Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende.
Amigo a gente entende!

Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar.
Porque amigo sofre e chora.
Amigo não tem hora pra consolar!

Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam a realidade.
Porque amigo é a direção.
Amigo é a base quando falta o chão!

Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros.
Porque amigos são herdeiros da real sagacidade.
Ter amigos é a melhor cumplicidade!

Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,
Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!

 Interpretação de texto

  1-    Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir.
Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
       Amigo a gente sente!”
Comente este trecho da poesia.
A amizade é um sentimento que vem do coração e é eterno.

     2- Como você convive com seus amigos? Comente.
     Resposta pessoal do aluno.

      3-“Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,
Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!”
Explique o que você compreendeu deste trecho.
 Resposta pessoal do aluno

4-  O que você achou desta poesia? Dê sua opinião.
     Resposta pessoal do aluno.

      5-Quem são seus maiores amigos? O que mais admira neles?
      Resposta pessoal do aluno.

   
    Gramática

     1-   Retire do texto cinco substantivos.

Amigo, rosa, espinho, ombro e raízes. 

     2-   Sublinhe os numerais e classifique-os.
          a)   Amanda comeu um terço da torta.
       Fracionário.

         b)   Esse filme é de segunda categoria.
      Ordinário.
       c)    Marília agora tem o dobro de trabalho na escola.
    Multiplicativo.
       d)   Convidei seis amigos para jantar em casa.
    Cardinal.
        e)   Metade da estrada já foi asfaltada.
     Fracionário.

     3-  Identifique os sujeitos das frases.
        a-   Vocês querem ir ao cinema?  Vocês.
        b-  Salete e Luciano viajaram hoje. Salete, Luciano.
        c-  Brincavam no pátio Josué e Carolina. Josué, Carolina.
        d- O sanduíche é composto de presunto e queijo. Sanduiche.
        e-    O Brasil e a Inglaterra foram assinalados no Globo.
Brasil, Inglaterra.

      4- Passe os verbos destacados da 1ª pessoa do singular para a 1ª pessoa do plural.
       a-    Às vezes ando pelo centro e observo os prédios antigos.
Às vezes andamos pelo centro e observamos os prédios antigos.
       b-       Sinto saudade da infância quando viajo pelo interior.
Sentimos saudade da infância quando viajamos pelo interior.
       c-   Percebo que me irrito com o individualismo das pessoas.
Percebemos que me irritamos com o individualismo das pessoas.
d-   Apóio as mudanças por uma sociedade mais justa.
Apoiamos as mudanças por uma sociedade mais justa.





MÚSICA: MAIS UMA VEZ - LEGIÃO URBANA- COM INTERPRETAÇÃO/GABARITO

MÚSICA: MAIS UMA VEZ

 Legião Urbana
Mas é claro que o sol vai voltar amanhã
Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem

Tem gente que está do mesmo lado que você
Mas deveria estar do lado de lá
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar
Tem gente enganando a gente
Veja a nossa vida como está
Mas eu sei que um dia a gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo
Quem acredita sempre alcança
Mas é claro que o sol vai voltar amanhã
Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem
Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena
Acreditar no sonho que se tem
Ou que seus planos nunca vão dar certo
Ou que você nunca vai ser alguém
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar
Mas eu sei que um dia a gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo
Quem acredita sempre alcança…
Quem acredita sempre alcança…
Quem acredita sempre alcança…
Quem acredita sempre alcança…


     1.Após analisar a letra da canção responda: a temática é positiva ou negativa. Em seguida, explique por quê?
       Positiva, apesar de dizer que devemos confiar em nós mesmos, há o trecho que diz que tudo vai se resolver quando um novo dia nascer.

      2.“Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena acreditar no sonho que se tem, ou que seus planos nunca vão dar certo, ou que você nunca vai ser alguém….quem acredita sempre alcança!” Muito motivacional esse trecho da música, mas você concorda com essas afirmações? Justifique sua resposta.
       Resposta pessoal do aluno.
      3.”Se você quiser alguém em quem confiar . Confie em si mesmo…” Após fazer a leitura desse verso, a que conclusão você chega?
       Resposta pessoal do aluno.

       4.”Mas é claro que o sol vai voltar amanhã…” “Espera que o sol já vem…” O que o sol representa nesses versos? Explique.
       Representa a esperança, que tudo vai se resolver quando o sol nascer, ou seja, no outro dia.

      5.Observe o título da canção: “Mais uma vez”. Se você pudesse voltar ao passado, o que gostaria de fazer mais uma vez? Comente.
        Resposta pessoal do aluno.

        6.É possível fazer uma reflexão com a leitura da canção. Você concorda com as afirmações feitas pelo eu lírico? Qual afirmação você concorda plenamente? Qual afirmação você discorda?
         Resposta pessoal do aluno.

          7.A música tem a estrutura de um poema. Ela é escrita de forma disponibilizada no meio da folha, possui rimas (geralmente), possui versos e estrofes. Quantos versos tem na letra da música?
         São 30 versos.

        8.Retire dois pares de rimas da canção.
        - Amanhã / sã.
        - Amar / confiar.

         9.Há estrofes na música? Quantas?
          Possui 06 estrofes.

         10.Será que “Quem acredita sempre alcança”? Comente?
          Resposta pessoal do aluno.



POEMAS COM INTERPRETAÇÃO E GABARITO

POEMA: A CAMINHO DE CASA
Ana Tortosa
A caminho de casa
havia um banco
onde os velhos se sentavam
ao sol nas tardes mornas de primavera.
A caminho de casa
havia uma caixa de correio
que abrigava as cartas de amor.
A caminho de casa
havia um parque
repleto de crianças, brincadeiras e liberdade
A caminho de casa
havia uma escola toda branca
que cheirava a livros e lápis de cor.
A caminho de casa
havia uma árvore
e, nela, um ninho de pássaros.
A caminho de casa
havia uma fonte
que matava nossa sede nos dias de verão.
Agora minha casa está em ruínas.
Destruíram o caminho que levava até ela.
Não há mais bancos nem tardes de primavera.
Não há mais caixas de correio nem cartas de amor.
O parque desapareceu, mas a inocência, não.
Nunca mais verei aquela escola toda branca, os lápis de cor, os livros.
Nunca mais aquela árvore nem seu ninho de pássaros.
Nunca mais verei aquela escola toda branca, os lápis de cor, os livros.
Nunca mais aquela árvore nem seu ninho de pássaros.
Não poderemos matar nossa sede na mesma fonte.
Eu pensava que a realidade era apenas um pesadelo,
mas as lágrimas tiraram toda a poeira de meus olhos.
O caminho de casa
agora é um lugar de escombros,
de dor, de vazio, de silêncio.
Algum dia
há de haver, novamente
um caminho que leve a alguma casa.
Nele haverá um banco,
uma caixa de correio,
um parque,
uma escola,
uma árvore,
uma fonte…
E voltaremos a nos sentir livres,
ainda que sem entender
tudo o que aconteceu.

SOBRE A AUTORA ANA TORTOSA
Ana Tortosa é uma fiel seguidora de um novo gênero literário chamado “álbum ilustrado”. São livros para todas as idades – crianças, jovens e adultos -, nos quais texto e imagem se complementam de tal maneira que formam uma narrativa única.
Nascida na Cantábria, no norte da Espanha, Ana conta que, quando pequena, teve a sorte de crescer entre livros. Tinha uma pequena biblioteca para crianças em seu quarto, mas o que gostava mesmo era de entrar no quarto de sua avó e pegar os “livros de gente grande” às escondidas.
Em 2002, ganhou um concurso nacional de Contos Infantis, o que foi decisivo para definir o rumo de sua vida. Hoje, com mais de dez livros publicados, Ana decidiu apostar em uma parceria com a ilustradora Esperanza León para criarem juntas o álbum ilustrado “A Caminho de casa”, que trata de um tema duro como a guerra, mas que traz a inocência e a esperança de sua jovem protagonista.
QUESTÕES DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO
1 – Nas primeiras seis estrofes do poema, a menina descreve:
A – (   ) A guerra que assolou o caminho de casa da menina
B – ( X ) O caminho que a menina fazia de sua casa até a escola, o parque, entre outros lugares.
C – (   ) Como era sua vida antes da guerra.

2 – Quais versos do poema indicam a mudança no caminho de casa da menina?
      “Agora minha casa está em ruinas. Destruíram o caminho que levava até ela.
3 – Depois da guerra como ficou o caminho de casa da menina?
      “O caminho de casa agora é um lugar de escombros, de dor, de vazio, de silêncio”.
4 – Qual o sentimento que transparece nas palavras da menina ao descrever como ficou o caminho de casa após a guerra?
      Na resposta, o aluno deverá perceber e comentar sobre a tristeza e desolação nas palavras da menina.
5 – Explique o que a menina quis dizer com os versos: “E voltaremos a nos sentir livres, ainda que sem entender tudo o que aconteceu.
      Na resposta, o aluno deverá perceber que apesar da guerra e da tristeza da menina, ela ainda tem esperança de dias melhores.

POEMA -TEMPESTADE
                (Henriqueta Lisboa)

               - Menino, vem para dentro,
               olha a chuva lá na serra,
               olha como vem o vento!

               - Ah! Como a chuva é bonita
               e como o vento é valente!

               - Não sejas doido, menino,
               esse vento te carrega,
               essa chuva te derrete!

               - Eu não sou feito de açúcar
                para derreter na chuva.
                Eu tenho força nas pernas
                para lutar contra o vento!

                E enquanto o vento soprava
                e enquanto a chuva caía,
                que nem um pinto molhado,
                teimoso como ele só:
               
               - Gosto de chuva com vento,
               gosto  de vento com chuva!

ENTENDENDO O POEMA
 1- Quem é provavelmente, a pessoa que chama o menino para dentro?
      Sua mãe.

2- O menino não tinha medo de chuva. Por que?
      Porque ele achava a chuva bonita.

3- Quando diziam a ele “... Essa chuva te derrete! o que ele respondia?
      Dizia que não era feito de açúcar.

4- Quando diziam: “Esse vento te carrega ...”, o que ele respondia?
      Respondia que sabia se defender do vento.

5- Cada linha de um poema chama-se verso. Quantos versos tem o poema que você leu?
      O poema tem 18 versos.

6- Cada grupos de versos chama-se estrofes há no poema “Tempestade”?
      No poema “Tempestade” há seis estrofes.

7- Pela primeira estrofe do poema percebemos que a chuva ainda não começará.
     Copie os versos em que aparece essa afirmativa:
     “... olha a chuva lá na serra/ olha como vem o vento!”

8- Apesar de achar que o vento é valente sabe se defender dele. Como?
      O menino sabe se defender do vento porque tem força nas pernas para lutar contra ele.


POEMA:QUADRILHA
Carlos Drummond de Andrade


João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.

Atividade relacionada

Responda:
1-      Qual a visão do poeta em relação ao relacionamento amoroso: crítica, irônica ou trágica?
Irônica.

2-      De acordo com o texto, como que é o relacionamento amoroso?
É um relacionamento desencontrado.

3-      Essa forma de interpretar o relacionamento amoroso pode ser considerada moderna? Por quê?
NÃO. Porque é um sentimento que sempre existiu.

4-      Analisando o poema, o título “Quadrilha”, foi bem escolhido? Por quê?
SIM. Porque troca de pares.

5-      O poema “Quadrilha” é leve e bem humorado. Apesar disso, ele é reflexivo? Justifique sua resposta.
SIM. Porque a vida é movida por experiências e conhecimentos.

6-      Esse poema pertence ao livro Alguma poesia, de Carlos Drummond de Andrade, publicado em 1930. Use a sua criatividade e reescreva o poema utilizando termos ou expressões relacionadas aos dias atuais.
Resposta pessoal do aluno.

 

POEMA: OS DIREITOS DAS CRIANÇAS
                                                                      RUTH ROCHA 

Mas criança também tem
O direito de sorrir. 
Correr na beira do mar,
Ter lápis de colorir...

Ver uma estrela cadente,
Filme que tenha robô,
Ganhar um lindo presente,
Ouvir histórias do avô.

Descer no escorregador,
Fazer bolha de sabão,
Sorvete, se faz calor,
Brincar de adivinhação.
Atividades:

1) Qual o título do poema?
     Os direitos das crianças.
2) Quem é o autor (a) do poema?
     Ruth Rocha.
3) De quantos versos é composto o poema? E de quantas estrofes?
     Versos = possui 12 versos.
     Estrofes = possui 03 estrofes.

4) Você concorda com estes direitos que a autora descreve no seu poema? Você acrescentaria mais alguns direitos? Quais?
     Resposta pessoal do aluno.

5) Circule os verbos de acordo com a legenda:

Verde > Da primeira conjugação:
Ganhar, brincar e adivinhação.
Vermelho > Da segunda conjugação:
Tem, correr, ter, ver, tenha, descer, fazer e faz.
Azul > Da terceira conjugação:
Sorrir, colorir e ouvir.

POEMA: DE QUE COR É?
                                                                                    (Luciana de Almeida)

Abra os olhos ... olhe bem a sua volta...
Quantas cores você viu? Amarelo, alaranjado, verde, azul, anil...
Tudo nesse mundo tem cor!
A gema do ovo da ema é amarela como o sol no céu.


A pena da cauda do pavão é da cor de cada momento:
VERMELHA, quando está com raiva;
AZUL, quando está contente; AMARELA, quando está cansada;
VIOLETA, quando está por um triz. MULTICOLORIDA, quando está feliz!

1) - Estudando o texto:
a)- Título:
      De que cor é.
b)- Autora: 
      Luciana de Almeida.
c)- A autora diz que cada momento tem a sua cor. Por quê?
      Porque são diferente a cada momento da vida.

2)- De que cor você pintaria:
a)- a saudade?
b)- a dor?
c)- o amor?
d)- a tristeza?
e)- a preguiça? 
     Resposta pessoal do aluno.

3)- Forme frases com as palavras:
a)- céu:
     O céu está um pouco nublado.
b)- amarelo:
     O amarelo do girassol é lindo.
c)- contente:
     Pedrinho está contente com a nota da prova.
d)- cansada:

     A mamãe está cansada de tanto trabalho.